Mikosz & Mythosz

Arte e Consciência

Arquivos de tags: feminismo

Gurdjieff e os Cabelos!

Agora, faz quase meio século, nessa cidade de Paris, certos candidatos jassnamusses [1] idealizaram, para os seres do sexo feminino de lá, usar o cabelo curto, e fizeram grande alvoroço para difundir sua funesta invenção, graças a uns meios e uns procedimentos já solidamente experimentados entre eles.

Sem dúvida, como os sentimentos de moralidade e “patriarcalidade”[2] eram fortes ainda nessa época nos seres de sexo feminino da comunidade da França, eles não adotaram essa perniciosa invenção, e foram os seres do sexo feminino das comunidades que levam o nome de “Inglaterra” e de “América” os que começaram a cortar os cabelos.

Ao privarem-se assim, deliberadamente de uma parte delas mesmas, adaptada pela Grande Natureza com miras a certos intercâmbios de energia cósmica, os seres femininos dessas comunidades forçaram a Natureza a reagir suscitando resultados correspondentes que, no futuro, não deixará de tomar certas formas, análogas as que já surgiram duas vezes nesse planeta: a primeira vez no país de “Yuneano”, hoje Kafiristão, onde apareceram as chamadas “Amazonas”; a segunda vez na Grécia antiga, onde foi fundada a “religião da poetisa Safo”.

Enquanto isso, nessas comunidades atuais, a comunidade da “Inglaterra” e a comunidade da “América”, cortar o cabelo feminino engendrou por primeiro as “suffragettes[3] e, por segundo o que se chama de “Christian Science”, e os “clubes teosóficos”. Ademais, quando essa moda jassnamussiana do cabelo curto se difundiu por todas as partes, se observou – como eu soube através de um eterograma que me foi dirigido – um recrudescimento proporcional do que se chamam as “enfermidades femininas”, ou seja, diversas formas de inflamações dos órgãos sexuais, tais como “vaginitis”, “metritis”, “ovaritis”, assim como de fibromas e de câncer.

[…]

Agora bem, segundo as leis cósmicas que estou falando, essas fontes destinadas às transformações dos elementos ativos que servem de princípio passivo, jamais estão em liberdade de terem manifestações independentes, sejam quais sejam. Só podem gozar dessa independência as fontes destinadas à transformação dos elementos ativos que devem servir de “Santa Afirmação” ou de “princípio ativo” ao Triamazikamo sagrado.

Assim, pois, as fontes que servem de princípio passivo não podem ser responsáveis de suas manifestações; dito de outro modo, ela não podem ser “maiores”.[4]

Gurdjieff, G. I. (1978). Relatos de Belcebú a su Nieto – Critica Objetivamente Imparcial de La Vida de los Hombres (Livro Segundo, pag. 141-143). Editorial Ganesha. Caracas.


[1] Esses termos são livre criações gurdjieffianas. Os significados aparecem pelo texto.

[2] Gurdjieff se refere ao “amor a família” e o “pudor orgânico”.

[3] Movimento ativista feminista do final do século 19, início do século 20, relacionado à luta das mulheres para terem direito ao voto. Pouco, muito pouco tempo atrás!

[4] Semelhante a certas tradições Islâmicas em que a mulher não é considerada “maior de idade”.

PS: Coloquei esse post na intenção de mostrar algo curioso em relação ao esotérico. Há muita coisa que parece colocada de forma “politicamente incorreta” justamente por pessoas consideradas grandes pensadoras e com uma capacidade de entrar em contato com conhecimentos não disponíveis para a maioria dos mortais (nós). A Teosofia, interpretada por seus “conhecimentos sobre as raças” gerou ideias que, mesmo que eles discordassem totalmente dos resultados, puderam gerar uma Klu Klux Klan racista. Estaria o esoterismo, em várias camadas tradicionais, condenado a rever seus postulados como erros, ou estamos diante de uma nova incompreensão: “elétrons fazendo greve por se sentirem desprivilegiados em relação aos prótons?”, resultando numa possível desintegração do universo conhecido?

Anúncios