Mikosz & Mythosz

Arte e Consciência

Arquivos Mensais: outubro 2011

Arte e os Crimes de Plástico

Outro dia, olhando os trabalhos “lowbrow” de Ray Caesar (http://www.raycaesar.com/), pensei na fina linha que separava alguns trabalhos artísticos de crimes. Na biografia do artista consta que ele trabalhou como fotógrafo documentarista no Chidren’s Hospital of Toronto que atende casos de abuso infantil. Segundo o artista, a arte que ele faz, antes de ser uma ode à pedofilia, se trata de uma forma de redenção, isto é, a representação dessas crianças com aparência serena, fazendo face a essa ferocidade, aparentando aceitação e naturalidade, elas deixariam assim de serem as vítimas, até mesmo exercendo o controle da situação. Dessa forma essas pequenas almas atormentadas teriam um lugar melhor, um pequeno pedaço de céu ofertado por ele em seus trabalhos.

Isso me fez pensar em várias questões envolvendo a arte e uma tendência quase insuportável do “politicamente correto” nos dias de hoje. Como separar o “correto” do medroso e do hipócrita, mau humorado, ou, pior, da falta de entendimento do que seria correto mesmo? Refiro-me a todos os outros tipos de representações que envolvam imagens violentas, sexuais, pornográficas, de abuso, questões racistas, estupro, formas naturais e provocadas de morte e o que mais possa levantar dúvidas sobre o “correto” e os tabus de nossa cultura e de outras culturas. Mas, na verdade, não é só a questão do “correto” que me chama atenção, e sim, se a tal liberdade de expressão pode existir mesmo nos casos “incorretos”. Eu acho que deveria sim, por isso dei o título de “Os Crimes de Plástico” (*), pois deveriam ser só isso mesmo, a morte de plástico, o sexo de plástico, tudo de plástico, como em muitos filmes que por aí. Funcionariam sempre como reflexão e curiosidade em relação a como o outro sente ou pensa, suas influências culturais, seus desvios, mas desde que não passe disso.

Vivemos em uma época que o “politicamente correto” atende as exceções, não aos fatos de maneira geral. Será que a maioria dos padres é mesmo pedófila? É possível generalizar assim? Creio que não. Mas hoje tome cuidado em manifestar carinho por uma criança, podem ficar com muito medo e desconfiados de você. Se você for médico, certifique-se que na consulta sempre tenha um terceiro junto, uma enfermeira ou secretária, pois você pode ser acusado de algum ato impróprio. Cuidado quando falar de cores, pode ser interpretado como algo de tendência racista. Se você é professor, cuidado com o tratamento com alunos/as, pois pode ser acusado de assédio. Mesma coisa com colegas de trabalho. Cuide com as piadas. E assim por diante…

E fico pensando quanta mudança já aconteceu nas sociedades. O livro “A Sombra de Dionísio” do Maffesoli é bem informativo a respeito. Muitos tabus sobrevivem no underground até que subam e sejam encarados como “normais” pela sociedade. A mulher votar já foi tabu, ter controle e decisões sobre seu próprio corpo ainda é uma conquista. A nudez é um tabu, posso vender revistas para satisfazer essa curiosidade, mas para um índio não fará muito sentido. O homossexualismo aos poucos abre espaço e é aceito sem tanto trauma, deixou de ser doença, mas em alguns lugares do mundo é crime e se pune com a morte, durante muito tempo se pensava em tratamentos psicológico (!).  O uso de psicoativos como a ayahuasca no Brasil é permitida a grupos religiosos e se discute se é droga, em alguns países a pena é a mesma dada para substâncias como a cocaína, é considerado tráfico e da prisão sem fiança.

Não que um estupro tenha que ser considerado normal, dois cientistas até fizeram pesquisas a esse respeito no livro A Natural History or Rape – Biological Bases of Sexual Coercion de Randy Thornhill e Craig T. Palmer, editado pelo MIT, mas não significa que deva ser uma prática aceita, ninguém quer ser estuprado de verdade (sabe-se que em fantasias não é tão incomum), então tem que existir controle penal sobre essas coisas, mesmo que fossem “instintos naturais”. Já os pesquisadores que citei, não cheguei a ler o livro, parece que nunca mais puderam dar palestras sem perigo de serem agredidos! É como disse Bertrand Russel: “infringir crueldade com a consciência em paz é um deleite para os moralistas – foi por isso que eles inventaram o inferno”, assim não sentem culpa em levar o outro para a fogueira, vide a Santa Inquisição, as Guerras contra o Terror, os fundamentalismos religiosos, etc. Mas não se trata de defender o “crime”, um leão come gente, sem problema, é natural, não é crime, nem por isso as grades do zoológico estão abertas…

Nessa linha que estou falando, lembro do Robert Crumb, famoso desenhista de HQ plenamente atuante ainda. Há uns quadrinhos de incesto que acaba com a frase “devíamos fazer mais vezes isso em família”, simplesmente hilário, não é pra levar a sério. E tem outras histórias mais “escabrosas” ainda, como algumas do Mister Natural e um bebê gigante. Quem quiser ver que procure (risos). É tão insano que também não pode ser levado a sério. Crumb faz uma provocação quase terapêutica, catártica, em cima dos tabus mais básicos da nossa sociedade, o considero um gênio por essa capacidade. Se chocar com isso é puro falso moralismo, pois essas coisas não estão em questão de forma alguma no “mundo real”. Outro artista que trabalha questões de sexo e violência é o Trevor Brown e pode ser encontrado nesse link http://www.pileup.com/babyart/_top.htm.

Acho que as pessoas, bem intencionadas, ponderarão: “mas será que essa liberdade não influenciaria o comportamento das pessoas”? Acho que influenciaria tanto quanto qualquer fantasia, as pessoas sabem que se trata de fantasia. Falaram tanto no malefício dos videogames violentos, mas as crianças sabem que aquilo é de “plástico”. Eu brinquei muito com pistolas imitação das reais (hoje proibidas no Brasil), dei centenas de tiros em meus amigos, jamais me passou pela cabeça em comprar revólver de verdade para ficar dando tiros nos outros depois de adulto. As causas que levam aos crimes são bastante diferentes na história de cada caso, não culpemos as fantasias, não culpemos a arte.

Concluindo, liberdade absoluta de expressão é a melhor forma de conhecermos esse ser complexo que é o humano. Primeiramente vamos parar de fingir que o ser humano é saudável (risos). Quem não quiser, que não veja, evite, procure não se identificar, mas acho que sabemos muito pouco sobre nossa complexidade humana, biológica e cultural, estamos condicionados a padrões, limitados na ação e expressão e isso sim me parece mais próximo de causar patologias. A arte, acima da ciência nesse sentido, deve ter o direito desse devaneio nos tabus e ver o que sobra disso. Parece-me menos hipócrita e, reafirmando minha crença, não creio que a arte induza a nenhum tipo de crime, por si só ela já é uma catarse, justamente o que está sendo representado ali, talvez não vaze para o mundo.

(*) Essa expressão ouvi pela primeira vez de um grande artista e amigo: Celso Júnior.

Anúncios

Arte – Ateliê e Academia

Há diversas formas de se relacionar profissionalmente com a arte. Você pode ser um artista que vive única e exclusivamente de sua produção. Existem, mas são poucos os que conseguem. Há os que trabalham em instituições diversas, como em fundações culturais, museus, etc. E há também os que se dividem em ensinar e, dessa forma, tem o sustento para fazer também seus próprios trabalhos. Em relação aos que ensinam podemos dividir em duas categorias: os que têm ateliês livres de pintura, gravura, fotografia, escultura, como os oferecidos pela FCC no Solar do Barão e no Centro de Criatividade e outros em galerias ou ateliês de artistas plásticos pela cidade. E há os que optaram por serem professores universitários. Aqui em Curitiba há várias opções como a UTP, a FAP, A UFPR, a EMBAP, assim como na PUC e na UTFPR onde há o pessoal que circula em meio à produção de cinema, HQ, fotografia, computação gráfica, enfim, a tecnologia aplicada à arte em geral.

Quem decidir pela carreira acadêmica deve estar consciente que ela envolve pesquisa, além da parte prática dos ateliês (excetuando os que já se dedicam a disciplinas teóricas). Para ser professor universitário é exigida a titulação mínima de Especialista e cursada a disciplina de Metodologia do Ensino Superior. Porém, cada vez mais os concursos exigem Mestrado e Doutorado de seus candidatos. É natural que isso aconteça, pois cada vez é maior o número de pessoas que se titulam e as instituições tem maiores benefícios quando seu quadro de professores tem pessoas qualificadas. Por exemplo, a Fundação Araucária incentiva a pesquisa dando bolsas de estudo para professores orientarem alunos em programas de iniciação científica (PIC). Professores com Mestrado podem dar bolsa para um aluno, com Doutorado dois. Isso beneficia os alunos, intensifica a produção dentro da instituição. Quando o quadro de professores doutores é suficiente, é possível se pensar na criação de um mestrado, mais tarde até em um doutorado. Isso significa mais apoio da CAPES/CNPq, mais bolsas, mais verbas são destinadas às universidades, que mais produzem numa relação extremamente simples e lógica de se entender.

Atualmente nas faculdades de arte essa produção se dá tanto pela pesquisa como na produção artístico/cultural, aliás, vendo a documentação da UNESPAR que a EMBAP e a FAP agora fazem parte, mesmo as demais áreas como as Ciências Exatas, também possuem avaliações artístico/culturais. Imagine então o que se espera de professores ligados diretamente ao ensino da arte: muita produção acadêmica e muita produção artística também. As coisas evoluem, se adaptam as necessidades de acordo com a época. No renascimento se aprendia a pintar sendo discípulo de um pintor, iniciava-se como auxiliar e se desenvolvia gradualmente até ser capaz de participar na pintura dos quadros. Até pouco tempo bastava os professores serem formados para darem aulas de arte nas faculdades. Hoje se exige mais do que isso e não é a toa que muitos estudantes manifestam interesse em se tornarem pesquisadores.

Fazendo parte da ANPAP (Associação Nacional dos Pesquisadores em Artes Plásticas), acompanhando programas de mestrado e doutorado tanto na EMBAP/EBA-UFBA, como na UTFPR, fazendo parte de bancas de concursos na FAP e UFPR, fica claro como a produção acadêmica sobre e em arte estimula o pensamento, a reflexão e a produção dos professores nas instituições. Mas, claro, sempre há os que preferem apenas a arte sem o peso da academia, esses podem se dedicar aos ateliês livres como foi comentado, há diversos casos de sucesso de alunos que saíram da EMBAP e hoje são excelentes professores em seus ateliês. E também há os que vivem exclusivamente de sua arte. Para ser um grande artista, nem sempre a vida acadêmica é necessária. Mas nem todo mundo pode ser um Hubert Duprat que, além de artista é pesquisador, mas não está ligado a nenhuma academia, nem se interessa por isso, as academias que vão pesquisá-lo. Cada um deve lutar pelo que acredita e sonha e no lugar certo.