Mikosz & Mythosz

Arte e Consciência

Statement

Artista transmídia, professor adjunto 4 da Unespar/Embap. Membro do CIEBA da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL). Conselheiro Jurisdicional da Universidade Rose+Croix Internacional (URCI). Faz parte do Quadro do Conselho da Wasiwaska – Centro Internacional de pesquisas sobre Consciência, Plantas Psicointegradoras e Arte Visionária. Membro do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Psicoativos (NEIP) e do Instituto iNeuroPsi. Pesquisador em Arte e Estados Não Ordinários de Consciência (ENOC) – Arte Visionária e Psicodélica.

Muito cedo a vida me pareceu extremamente estranha e misteriosa, tendo visões e sonhos lúcidos a partir dos cinco anos de idade. Aos treze anos lia Lobsang Rampa e ouvi falar de rosacrucionismo pela minha mãe. Cheguei a fazer mapas astrais e leituras fisiognomônicas, além de incursões na cabala, alquimia, esoterismo e magia em geral. Participei de grupos terapêuticos como bioenergética, de-programação pessoal (baseado no Processo Hoffman), terapia Gestalt, Rebirthing e Meditações Osho. Frequentei o Grupo Gurdjieff e, por um período, fui facilitador de Movimentos. Mais tarde, buscando conhecer a relação do ser humano com o uso de Plantas Professoras, me associei ao Centro Espírita Beneficente União do Vegetal (UDV) chegando a fazer parte ali do Departamento de Documentação e Memória. Pratiquei ioga e fiz o curso de formação em Kundalini pelo Instituto Nanak. Há mais de três décadas me interesso por rock extremo e alternativo, sendo guitarra uma paixão. Relaciono-me com pintura e desenho desde “sempre”, fazem parte de minha vida como algo muito além da arte e que são o foco de minhas pesquisas acadêmicas atuais.

Sou liberal de esquerda. Dizem que “liberal é liberal”, não há nem de esquerda, nem de direita, porém, todo liberal se parece muito mais com a esquerda do que com a direita conservadora. Há uma frase jocosa que brinca com esse espírito: “o casal gay que compra armas para defender sua plantação de maconha”. Ou seja, uma luta utópica antiproibicionista em todos os sentidos, todos devem poder tudo, respeitando, naturalmente, a regra de ouro de convívio, lembrando o Liber 77 divulgado por Crowley onde “o amor é a lei, amor sob vontade”. Dessa maneira é difícil concordar com qualquer tipo de extremismo e ditaduras autoritárias, sejam de direita ou de esquerda. Boa leitura aqui é “A Infelicidade do Século” de Alain Besançon e “As Origens do Totalitarismo” de Hannah Arendt. Mesmo com essa posição, sou tolerante ao máximo e tenho amigos de várias tendências políticas sem que eu me identifique, respeito a capacidade de compreensão delas assim como posso e devo evoluir meu próprio pensamento.

Apesar de parecerem o “ópio do povo”, todas as manifestações religiosas são importantes. Elas fazem parte de nosso substrato neural. Crenças em mundos e seres divinos além do mundo material está presente em todas as culturas, e nenhum sistema político autoritário jamais as conseguiu eliminar. Mas creio que temos o direito de criticar e refletir sobre as religiões. Elas não podem ser intocáveis e não deveriam manipular as pessoas através de seus medos e esperanças, deveriam abrir caminhos espirituais autênticos, além de pagar impostos!

Incluo muitas vezes em meus trabalhos visuais e musicais, aspectos obscuros e caóticos de nosso inconsciente. Quando criança, estórias infantis eram interessantes quando haviam bruxas, castelos, magos e dragões. É apenas uma estética divertida e, ao mesmo tempo, ativista. Mas não acredito em seres demoníacos nem angelicais, são apenas formas arquetípicas, nós que damos vida, força e forma para essas energias. É ficção, licença poética, não é pra ser levada literalmente ou teríamos que condenar Edgar Alan Poe, H.P. Lovecraft e todas as bandas de heavy metal com o mesmo imaginário e, inclusive, a Pantera Cor-de-Rosa e Tom & Jerry! Lembrem que nunca vimos um diabo torturando alguém, mas em nome dele existiram as Cruzadas e a inquisição, esta uma das maiores formas de “peste emocional” que o mundo já presenciou (além de racista e misógina). As colonizações que ocorreram no Continente Americano, em nome de valores cristãos, sejam protestantes no Norte ou católicos no Sul, foram devastadoras para as culturas originais dessas terras (também um fenômeno racista). O estupro seguido de morte, implícito aqui, não é somente o físico, mas mental também. Esses sim foram literais no passado, como outros grupos religiosos o são na atualidade. 

Acredito que a Arte – em todas as suas modalidades – deve poder tudo, mesmo o “politicamente incorreto”, ou ela perderá sua característica maior de liberdade de expressão. Ninguém deveria se sentir ofendido por qualquer manifestação artística. Ninguém deveria se sentir ameaçado em sua cultura ou crenças por existirem quem pensa e sente diferente. Se um tipo de expressão te ofender, se não curtir, não veja, não ouça, faça a sua com a mesma liberdade, discuta, dialogue e cresça, use as mesmas “armas”. Crítica inteligente sempre é bem vinda, proibir não ajuda em nada e mantém a escuridão sobre temas tabu. Dar liberdade e não se importar, muitas vezes é a forma mais rápida de uma provocação perder a intensidade. O medo apenas nos torna covardes e, consequentemente, violentos.

Gurdjieff e os Cabelos!

Agora, faz quase meio século, nessa cidade de Paris, certos candidatos jassnamusses[1] idealizaram, para os seres do sexo feminino de lá, usar o cabelo curto, e fizeram grande alvoroço para difundir sua funesta invenção, graças a uns meios e uns procedimentos já solidamente experimentados entre eles.

Sem dúvida, como os sentimentos de moralidade e “patriarcalidade”[2] eram fortes ainda nessa época nos seres de sexo feminino da comunidade da França, eles não adotaram essa perniciosa invenção, e foram os seres do sexo feminino das comunidades que levam o nome de “Inglaterra” e de “América” os que começaram a cortar os cabelos.

Ao privarem-se assim, deliberadamente de uma parte delas mesmas, adaptada pela Grande Natureza com miras a certos intercâmbios de energia cósmica, os seres femininos dessas comunidades forçaram a Natureza a reagir suscitando resultados correspondentes que, no futuro, não deixará de tomar certas formas, análogas as que já surgiram duas vezes nesse planeta: a primeira vez no país de “Yuneano”, hoje Kafiristão, onde apareceram as chamadas “Amazonas”; a segunda vez na Grécia antiga, onde foi fundada a “religião da poetisa Safo”.

Enquanto isso, nessas comunidades atuais, a comunidade da “Inglaterra” e a comunidade da “América”, cortar o cabelo feminino engendrou por primeiro as “suffragettes[3] e, por segundo o que se chama de “Christian Science”, e os “clubes teosóficos”. Ademais, quando essa moda jassnamussiana do cabelo curto se difundiu por todas as partes, se observou – como eu soube através de um eterograma que me foi dirigido – um recrudescimento proporcional do que se chamam as “enfermidades femininas”, ou seja, diversas formas de inflamações dos órgãos sexuais, tais como “vaginitis”, “metritis”, “ovaritis”, assim como de fibromas e de câncer.

[…]

Agora bem, segundo as leis cósmicas que estou falando, essas fontes destinadas às transformações dos elementos ativos que servem de princípio passivo, jamais estão em liberdade de terem manifestações independentes, sejam quais sejam. Só podem gozar dessa independência as fontes destinadas à transformação dos elementos ativos que devem servir de “Santa Afirmação” ou de “princípio ativo” ao Triamazikamo sagrado.

Assim, pois, as fontes que servem de princípio passivo não podem ser responsáveis de suas manifestações; dito de outro modo, ela não podem ser “maiores”.[4]

 

Gurdjieff, G. I. (1978). Relatos de Belcebú a su Nieto – Critica Objetivamente Imparcial de La Vida de los Hombres (Livro Segundo, pag. 141-143). Editorial Ganesha. Caracas.


[1] Esses termos são livre criações gurdjieffianas. Os significados aparecem pelo texto.

[2] Gurdjieff se refere ao “amor a família” e o “pudor orgânico”.

[3] Movimento ativista feminista do final do século 19, início do século 20, relacionado à luta das mulheres para terem direito ao voto…

[4] Semelhante a certas tradições Islâmicas em que a mulher não é considerada “maior de idade”.

UNESPAR – Encontro 16 a 18 nov 2011

O encontro reuniu Conselheiros de 7 faculdades paranaenses que hoje formam a UNESPAR (Universidade Estadual do Paraná): Campus Curitiba I/EMBAP, Campus Curitiba II/FAP, Campus São José dos Pinhais/APMG, Campus Paranaguá/FAFIPAR, Campus União da Vitória/FAFIUVI, Campus Apucarana/FECEA, Campus Paranavaí/FAFIPA e Campus Campo Mourão/FECILCAM.

A finalidade foi apresentar sugestões/alterações no Estatuto, Regimento e PDI (Plano de Desenvolvimento Institucional), definir local da sede da Reitoria, ENEM e eleições para Reitor.

A EMBAP e a FAP, ambos Centro de Artes, receberam a possibilidade de desenvolverem outros dois centros mais (um para cada Campus) provavelmente na área de educação ou dentro da necessidade de cada um, coisas para o futuro.

A sede da Reitoria ficou em Curitiba. No primeiro turno a cidade de Paranavai teve 19 votos, Curitiba 15, Paranaguá 6, União da Vitória 6, etc. No segundo turno Curitiba ficou com 28 votos contra 20 para Paranavai. A EMBAP ofereceu a casa Gomm para a sede da Reitoria e a FAP disponibiliza seu auditório para as reuniões do Conselho Universitário.

Assuntos como o ENEM e a eleição para Reitor serão discutidas em breve.

Arte e os Crimes de Plástico

Outro dia, olhando os trabalhos “lowbrow” de Ray Caesar (http://www.raycaesar.com/), pensei na fina linha que separava alguns trabalhos artísticos de crimes. Na biografia do artista consta que ele trabalhou como fotógrafo documentarista no Chidren’s Hospital of Toronto que atende casos de abuso infantil. Segundo o artista, a arte que ele faz, antes de ser uma ode à pedofilia, se trata de uma forma de redenção, isto é, a representação dessas crianças com aparência serena, fazendo face a essa ferocidade, aparentando aceitação e naturalidade, elas deixariam assim de serem as vítimas, até mesmo exercendo o controle da situação. Dessa forma essas pequenas almas atormentadas teriam um lugar melhor, um pequeno pedaço de céu ofertado por ele em seus trabalhos.

Isso me fez pensar em várias questões envolvendo a arte e uma tendência quase insuportável do “politicamente correto” nos dias de hoje. Como separar o “correto” do medroso e do hipócrita, mau humorado, ou, pior, da falta de entendimento do que seria correto mesmo? Refiro-me a todos os outros tipos de representações que envolvam imagens violentas, sexuais, pornográficas, de abuso, questões racistas, estupro, formas naturais e provocadas de morte e o que mais possa levantar dúvidas sobre o “correto” e os tabus de nossa cultura e de outras culturas. Mas, na verdade, não é só a questão do “correto” que me chama atenção, e sim, se a tal liberdade de expressão pode existir mesmo nos casos “incorretos”. Eu acho que deveria sim, por isso dei o título de “Os Crimes de Plástico” (*), pois deveriam ser só isso mesmo, a morte de plástico, o sexo de plástico, tudo de plástico, como em muitos filmes que por aí. Funcionariam sempre como reflexão e curiosidade em relação a como o outro sente ou pensa, suas influências culturais, seus desvios, mas desde que não passe disso.

Vivemos em uma época que o “politicamente correto” atende as exceções, não aos fatos de maneira geral. Será que a maioria dos padres é mesmo pedófila? É possível generalizar assim? Creio que não. Mas hoje tome cuidado em manifestar carinho por uma criança, podem ficar com muito medo e desconfiados de você. Se você for médico, certifique-se que na consulta sempre tenha um terceiro junto, uma enfermeira ou secretária, pois você pode ser acusado de algum ato impróprio. Cuidado quando falar de cores, pode ser interpretado como algo de tendência racista. Se você é professor, cuidado com o tratamento com alunos/as, pois pode ser acusado de assédio. Mesma coisa com colegas de trabalho. Cuide com as piadas. E assim por diante…

E fico pensando quanta mudança já aconteceu nas sociedades. O livro “A Sombra de Dionísio” do Maffesoli é bem informativo a respeito. Muitos tabus sobrevivem no underground até que subam e sejam encarados como “normais” pela sociedade. A mulher votar já foi tabu, ter controle e decisões sobre seu próprio corpo ainda é uma conquista. A nudez é um tabu, posso vender revistas para satisfazer essa curiosidade, mas para um índio não fará muito sentido. O homossexualismo aos poucos abre espaço e é aceito sem tanto trauma, deixou de ser doença, mas em alguns lugares do mundo é crime e se pune com a morte, durante muito tempo se pensava em tratamentos psicológico (!).  O uso de psicoativos como a ayahuasca no Brasil é permitida a grupos religiosos e se discute se é droga, em alguns países a pena é a mesma dada para substâncias como a cocaína, é considerado tráfico e da prisão sem fiança.

Não que um estupro tenha que ser considerado normal, dois cientistas até fizeram pesquisas a esse respeito no livro A Natural History or Rape – Biological Bases of Sexual Coercion de Randy Thornhill e Craig T. Palmer, editado pelo MIT, mas não significa que deva ser uma prática aceita, ninguém quer ser estuprado de verdade (sabe-se que em fantasias não é tão incomum), então tem que existir controle penal sobre essas coisas, mesmo que fossem “instintos naturais”. Já os pesquisadores que citei, não cheguei a ler o livro, parece que nunca mais puderam dar palestras sem perigo de serem agredidos! É como disse Bertrand Russel: “infringir crueldade com a consciência em paz é um deleite para os moralistas – foi por isso que eles inventaram o inferno”, assim não sentem culpa em levar o outro para a fogueira, vide a Santa Inquisição, as Guerras contra o Terror, os fundamentalismos religiosos, etc. Mas não se trata de defender o “crime”, um leão come gente, sem problema, é natural, não é crime, nem por isso as grades do zoológico estão abertas…

Nessa linha que estou falando, lembro do Robert Crumb, famoso desenhista de HQ plenamente atuante ainda. Há uns quadrinhos de incesto que acaba com a frase “devíamos fazer mais vezes isso em família”, simplesmente hilário, não é pra levar a sério. E tem outras histórias mais “escabrosas” ainda, como algumas do Mister Natural e um bebê gigante. Quem quiser ver que procure (risos). É tão insano que também não pode ser levado a sério. Crumb faz uma provocação quase terapêutica, catártica, em cima dos tabus mais básicos da nossa sociedade, o considero um gênio por essa capacidade. Se chocar com isso é puro falso moralismo, pois essas coisas não estão em questão de forma alguma no “mundo real”. Outro artista que trabalha questões de sexo e violência é o Trevor Brown e pode ser encontrado nesse link http://www.pileup.com/babyart/_top.htm.

Acho que as pessoas, bem intencionadas, ponderarão: “mas será que essa liberdade não influenciaria o comportamento das pessoas”? Acho que influenciaria tanto quanto qualquer fantasia, as pessoas sabem que se trata de fantasia. Falaram tanto no malefício dos videogames violentos, mas as crianças sabem que aquilo é de “plástico”. Eu brinquei muito com pistolas imitação das reais (hoje proibidas no Brasil), dei centenas de tiros em meus amigos, jamais me passou pela cabeça em comprar revólver de verdade para ficar dando tiros nos outros depois de adulto. As causas que levam aos crimes são bastante diferentes na história de cada caso, não culpemos as fantasias, não culpemos a arte.

Concluindo, liberdade absoluta de expressão é a melhor forma de conhecermos esse ser complexo que é o humano. Primeiramente vamos parar de fingir que o ser humano é saudável (risos). Quem não quiser, que não veja, evite, procure não se identificar, mas acho que sabemos muito pouco sobre nossa complexidade humana, biológica e cultural, estamos condicionados a padrões, limitados na ação e expressão e isso sim me parece mais próximo de causar patologias. A arte, acima da ciência nesse sentido, deve ter o direito desse devaneio nos tabus e ver o que sobra disso. Parece-me menos hipócrita e, reafirmando minha crença, não creio que a arte induza a nenhum tipo de crime, por si só ela já é uma catarse, justamente o que está sendo representado ali, talvez não vaze para o mundo.

(*) Essa expressão ouvi pela primeira vez de um grande artista e amigo: Celso Júnior.

Arte – Ateliê e Academia

Há diversas formas de se relacionar profissionalmente com a arte. Você pode ser um artista que vive única e exclusivamente de sua produção. Existem, mas são poucos os que conseguem. Há os que trabalham em instituições diversas, como em fundações culturais, museus, etc. E há também os que se dividem em ensinar e, dessa forma, tem o sustento para fazer também seus próprios trabalhos. Em relação aos que ensinam podemos dividir em duas categorias: os que têm ateliês livres de pintura, gravura, fotografia, escultura, como os oferecidos pela FCC no Solar do Barão e no Centro de Criatividade e outros em galerias ou ateliês de artistas plásticos pela cidade. E há os que optaram por serem professores universitários. Aqui em Curitiba há várias opções como a UTP, a FAP, A UFPR, a EMBAP, assim como na PUC e na UTFPR onde há o pessoal que circula em meio à produção de cinema, HQ, fotografia, computação gráfica, enfim, a tecnologia aplicada à arte em geral.

Quem decidir pela carreira acadêmica deve estar consciente que ela envolve pesquisa, além da parte prática dos ateliês (excetuando os que já se dedicam a disciplinas teóricas). Para ser professor universitário é exigida a titulação mínima de Especialista e cursada a disciplina de Metodologia do Ensino Superior. Porém, cada vez mais os concursos exigem Mestrado e Doutorado de seus candidatos. É natural que isso aconteça, pois cada vez é maior o número de pessoas que se titulam e as instituições tem maiores benefícios quando seu quadro de professores tem pessoas qualificadas. Por exemplo, a Fundação Araucária incentiva a pesquisa dando bolsas de estudo para professores orientarem alunos em programas de iniciação científica (PIC). Professores com Mestrado podem dar bolsa para um aluno, com Doutorado dois. Isso beneficia os alunos, intensifica a produção dentro da instituição. Quando o quadro de professores doutores é suficiente, é possível se pensar na criação de um mestrado, mais tarde até em um doutorado. Isso significa mais apoio da CAPES/CNPq, mais bolsas, mais verbas são destinadas às universidades, que mais produzem numa relação extremamente simples e lógica de se entender.

Atualmente nas faculdades de arte essa produção se dá tanto pela pesquisa como na produção artístico/cultural, aliás, vendo a documentação da UNESPAR que a EMBAP e a FAP agora fazem parte, mesmo as demais áreas como as Ciências Exatas, também possuem avaliações artístico/culturais. Imagine então o que se espera de professores ligados diretamente ao ensino da arte: muita produção acadêmica e muita produção artística também. As coisas evoluem, se adaptam as necessidades de acordo com a época. No renascimento se aprendia a pintar sendo discípulo de um pintor, iniciava-se como auxiliar e se desenvolvia gradualmente até ser capaz de participar na pintura dos quadros. Até pouco tempo bastava os professores serem formados para darem aulas de arte nas faculdades. Hoje se exige mais do que isso e não é a toa que muitos estudantes manifestam interesse em se tornarem pesquisadores.

Fazendo parte da ANPAP (Associação Nacional dos Pesquisadores em Artes Plásticas), acompanhando programas de mestrado e doutorado tanto na EMBAP/EBA-UFBA, como na UTFPR, fazendo parte de bancas de concursos na FAP e UFPR, fica claro como a produção acadêmica sobre e em arte estimula o pensamento, a reflexão e a produção dos professores nas instituições. Mas, claro, sempre há os que preferem apenas a arte sem o peso da academia, esses podem se dedicar aos ateliês livres como foi comentado, há diversos casos de sucesso de alunos que saíram da EMBAP e hoje são excelentes professores em seus ateliês. E também há os que vivem exclusivamente de sua arte. Para ser um grande artista, nem sempre a vida acadêmica é necessária. Mas nem todo mundo pode ser um Hubert Duprat que, além de artista é pesquisador, mas não está ligado a nenhuma academia, nem se interessa por isso, as academias que vão pesquisá-lo. Cada um deve lutar pelo que acredita e sonha e no lugar certo.

Os números de 2010

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Mais fresco do que nunca.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um Boeing 747-400 transporta 416 passageiros. Este blog foi visitado cerca de 5,300 vezes em 2010. Ou seja, cerca de 13 747s cheios.

 

Em 2010, escreveu 6 novo artigo, aumentando o arquivo total do seu blog para 16 artigos. Fez upload de 9 imagens, ocupando um total de 13mb. Isso equivale a cerca de uma imagem por mês.

The busiest day of the year was 3 de fevereiro with 162 views. The most popular post that day was AYA – AVATAR (filme).

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram mikosz.com.br, mail.live.com, search.conduit.com, facebook.com e twitter.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por psicodelismo, tridimensionalidade, video arte, stereoscope e taumatroscópio

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

AYA – AVATAR (filme) fevereiro, 2010
6 comentários

2

03 – Tecnologia e a Arte da Animação novembro, 2009

3

11 – A Falsa Tridimensionalidade novembro, 2009
1 comentário

4

O que é Arte Visionária? fevereiro, 2008
3 comentários

5

13 – Vídeo-arte de Nam June Paik novembro, 2009

David Lewis-Williams – Conceiving God

Ceci n’est pas une peinture

Wasiwaska Visionária

WASIWASKA é um Centro de Pesquisa Internacional sobre Plantas Psicointegradoras, Arte Visionária e Consciência. Todos os anos o Centro reúne cientistas e artistas que se dedicam a estudos sobre temas diversos relativos à consciência. O Prof. Dr. Luis Eduardo Luna, antropólogo, diretor do Centro, é referência mundial sobre os temas tratados ali.

O Prof. Luna foi meu principal mentor e orientador durante minha tese de doutorado. Desde o início sua simpatia e competência firmou entre nós um relacionamento de colaboração e amizade. Desde então tenho participado de alguns encontros na Wasiwaska que tem sido de vital importância nas minhas pesquisas sobre Arte e Consciência, notadamente a Arte Visionária.

Wasiwaska

Entrada do Instituto

Abaixo uma das pinturas de Pablo Amaringo do acervo da Wasiwaska. Está sendo planejado um Simpósio de Cultura Visionária para 2011 em Florianópolis, onde parte do acervo estará presente para exibição, possibilitando ao público ver de perto obras consagradas de Arte Visionária.

Pablo Amaringo

Pintura de Pablo Amaringo

Na foto seguinte, dos seminários de agosto de 2008, da esquerda para direita estão: Prof. Manuel Torres (Arte Historiador e Arqueólogo), Donna Torres (Artista Visionária), Dra. Claudia Mueller-Ebeling (Arte Historiadora) e o Dr. Christian Rätsch, um dos mais importante etnofarmacologistas da atualidade e também artista visionário e escritor, foi amigo pessoal de Albert Hoffman.

Pesquisadores Wasiwaska

Intervalo entre os Seminários

Na próxima foto Michael Winkelman e sua esposa Cindy numa visita a Curitiba. Winkelman é um dos Organizadores da Wasiwaska. Antropólogo americano da Universidade de Fênix com vários estudos sobre xamanismos e também de uma abordagem biocultural da religiosidade como no livro Supernatural as Natural – A Biocultural Approach to Religion de sua autoria.

Mikosz, Cindy e Winkelman

Mikosz, Cindy e Winkelman

Um dos momentos importantes para mim foi participar dois dias do Seminário de Arte Visionária realizado em janeiro de 2010, ministrado pelo Prof. Luna e os artistas visionários Alex Grey e Allyson Grey. Nesse encontro tive oportunidade de pedir autorização para usar imagens de autoria desses dois importantes artistas para meu livro que será lançado em 2011 e que reúne anos de pesquisa sobre o tema, resultando na minha tese de doutorado defendida em abril de 2009. Hoje a Arte Visionária se torna cada vez mais conhecida no Brasil e me sinto feliz de encabeçar essa pesquisa sobre arte e consciência atualmente por aqui (CAPES/CNPQ). A Arte Visionária vem se tornando um modismo, como sempre acontece quando algo ganha alguma notoriedade, mas muitos não sabem direito do que se trata. Além de algumas postagens nesse blog, algumas informações podem ser obtidas aqui.

Oficina de Arte Visionária

Alex Grey e Mikosz tentando afastar eletronicamente os pernilongos!

Allyson Grey

Allyson Grey durante o Seminário

Seminário de Arte Visionária

Alguns dos participantes de várias parte do mundo.

Ramachandran e seu cérebro

Como separar produção artística de nossa massa gelatinosa?
Arte pela arte possui uma epistemologia própria? Ou o ser humano* produz arte? (* com todas as implicações do termo…)
Achei divertida as colocações do Ramachandran sobre Freud, acho que isso também mostra o quanto necessitamos revisões na psicologia terapêutica.
Enfim, não é um vídeo discutindo arte e neurociências, pra mim serve de reflexão interdisciplinar, pois tenho visto dificuldades nas pesquisas devido a algumas instituições limitarem a discussão em arte de forma disciplinar, para mim isso é de um reducionismo simplista diante do “ser que produz arte”.
Não consegui colocar o vídeo aqui, mas deixo o link pra quem se interessar (tem legenda em português).

Ramachandran_on_your_mind

A razão pura não existe: nós pensamos com o nosso corpo e nossas emoções.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.